Aneel: DEC de 2018 alcança valor histórico de 12,85 horas

AGÊNCIA CANALENERGIA – 15/03/2019

 

A qualidade dos serviços de distribuição de energia elétrica melhorou em 2018, conforme apontam os indicadores DEC e FEC apurados pela Agência Nacional de Energia Elétrica. Ao longo do ano passado, o serviço de eletricidade permaneceu disponível por 99,8% do tempo, na média do Brasil. Os consumidores ficaram 12,85 horas em média sem energia [DEC] em 2018, o que representa uma redução de 10,45% em relação a 2017, quando os consumidores ficaram, em média, 14,35 horas sem energia. O resultado para o DEC no ano de 2018 é o menor valor histórico para esse indicador, e quase atingiu o nível regulatório de 12,72. A frequência [FEC] das interrupções se manteve em trajetória decrescente, reduzindo de 8,20 interrupções em 2017 para 7,17, em média, por consumidor em 2018, o que significa uma melhora de 12,56% no período.

 

De acordo com a Aneel, o avanço é resultado de diversas ações da agência, como as novas regras de qualidade do fornecimento nos contratos de concessão das distribuidoras, a adoção de planos de resultados para as empresas que apresentavam mau desempenho, as compensações financeiras aos consumidores, as fiscalizações da Agência e a definição de limites de interrupção decrescentes para as concessionárias.

 

Segundo o diretor geral André Pepitone, a melhora na qualidade dos serviços é assim como a busca por tarifas menores, parte da agenda permanente de trabalho da Aneel. Para ele, empresas saudáveis, serviço bem prestado e preços justos é o desejo do consumidor e é também o desejo da Aneel.

 

O valor de compensações pagas ao consumidor caiu de R$ 490,84 milhões, em 2017, para R$ 483,52 milhões em 2018. A quantidade de compensações também se reduziu, de 100,34 para 83,40 milhões de ocorrências. A Aneel também estabeleceu desde 2015 regra que restringe a distribuição de proventos aos acionistas em caso de violação dos limites estabelecidos para DEC e FEC por dois anos consecutivos, ou por três vezes em cinco anos. Em 2018, Cocel (PR), CEEE-D (RS) e Enel Goiás entraram nessa restrição, estando proibidas, em 2019, de distribuir proventos em valor superior ao mínimo legal definido pela Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976.

Conteúdo Relacionado

As distribuidoras de energia, por meio da ABRADEE, apresentaram ao Ministério de Minas e Energia
O Ministério da Economia desenvolveu um documento que esclarece as grandes questões sobre a Mini
A EPE, Empresa de Pesquisa Energética, é uma empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas
A Matriz Energética brasileira é formada predominantemente por fontes renováveis, mas as fontes não renováveis
DERIVADOS DO PETRÓLEO Os derivados do petróleo, sejam eles em estado sólido ou líquido, são