O que são smart grids? (você vai gostar da resposta)

As redes inteligentes de energia, conhecidas como smart grids, já utilizadas no Brasil por grandes clientes industriais e comerciais, prometem revolucionar o consumo doméstico de energia em um futuro muito próximo.

Mas, o que são smart grids? Elas são uma evolução das redes de distribuição de energia elétrica. Com equipamentos automatizados e recursos de tecnologia da informação, permitem muito mais serviços e comodidade em casa. Ao garantir uma série de otimizações, a smart grid contribuirá também para que o sistema como um todo seja mais sustentável e econômico – com vantagens para toda a sociedade.

Nas redes inteligentes, as casas contam com medidores eletrônicos que realizam uma série de funções avançadas. Eles podem informar em tempo real o que, dentro da casa ou do estabelecimento, está gastando mais luz. Também não será preciso esperar o fim do mês para saber o valor da conta – será possível acompanhar os detalhes dia a dia. Outra vantagem é que será possível controlar o consumo individual de cada equipamento elétrico, permitindo controlar melhor os gastos.

Além disso, os consumidores que instalarem em casa placas de geração de energia solar poderão integrar-se de maneira eficiente ao sistema da distribuidora, usando de forma simples e integrada tanto a energia gerada diretamente no telhado de casa quanto a energia vinda do sistema da distribuidora.

Parece bom? Pois a implantação desse modelo para consumidores residenciais já está sendo estudada no Brasil. A EDP, uma das maiores empresas privadas do setor elétrico no país, que atua no Espírito Santo e em São Paulo, inaugurou em 2017 o primeiro laboratório da América Latina especializado em redes elétricas inteligentes.

Localizado na capital paulista, o Centro de Estudos em Regulação e Qualidade de Energia (ENERQ) funciona como um ambiente controlado para a realização de pesquisas na área de smart grids, auxiliando no avanço da tecnologia no país.

No laboratório, funciona o Centro de Operação Virtual, que simula como os sistemas já existentes nas distribuidoras de energia podem receber dispositivos e medidores inteligentes, que são os componentes básicos para a criação das smart grids.

Nessas simulações, são feitos os chamados testes de self-healing, que consistem no controle remoto de equipamentos espalhados pela rede elétrica. Caso haja alguma pane no sistema, esse controle seria capaz de isolar a área com o problema e religar a energia automaticamente após a solução da ocorrência, evitando interrupções generalizadas no fornecimento de luz.

self-healing já é, em larga medida, aplicado pela EDP na distribuição da energia elétrica em São Paulo e no Espírito Santo, onde atende cerca de 3,4 milhões de clientes. O sistema permite uma retomada mais rápida do abastecimento em caso de interrupção, de modo a impactar o mínimo possível os consumidores.

Formação de especialistas

O Centro de Operação Virtual também é um espaço para a formação de especialistas.

Nele, ocorre o treinamento e a capacitação de técnicos para utilizarem e monitorarem redes inteligentes, aproximando o sistema elétrico brasileiro, e os profissionais que nele trabalham, do que é considerado o futuro da distribuição de energia no mundo: redes mais limpas, inteligentes e muito mais eficientes.

Conteúdo Relacionado

MAURICIO GODOI, DA AGÊNCIA CANALENERGIA, DO RIO DE JANEIRO (RJ) Enquanto o mercado nacional discute
A Light está desenvolvendo um catalisador para ser instalado no interior das câmaras, que vai
O futuro traz uma nova forma de mobilidade automobilística - a mobilidade elétrica. De acordo
Por Canal Energia Wagner Freire O programa de pesquisa e desenvolvimento para mobilidade elétrica recebeu
Fazer uma viagem de veículo elétrico já é uma realidade no Brasil e em breve